Gonçalves Dias

Un article de Wikipédia, l'encyclopédie libre.
Aller à : navigation, rechercher
Gonçalves Dias

António Gonçalves Dias (10 août 1823, Caxias - 3 novembre 1864, Guimarães, Maranhão) était un poète et dramaturge romantique brésilien. Il est célèbre pour ses poèmes patriotiques et nationalistes qui lui valurent le titre de poète national du Brésil. Le plus célèbre d'entre eux est Canção ne exilio, sans doute le poème le plus connu de la littérature brésilienne. Il a été membre de l'Académie brésilienne des lettres.

Œuvres[modifier | modifier le code]

Poésie[modifier | modifier le code]

  • Primeiros Cantos 1846)
  • Segundos Cantos (1848)
  • Sextilhas de Frei Antão (1848)
  • Últimos Cantos (1851)

Théâtre[modifier | modifier le code]

  • Patkull (1843)
  • Leonor de Mendonça (1847)

Poèmes épiques[modifier | modifier le code]

  • I-Juca-Pirama (1851)
  • Os Timbiras (inachevé, 1856)

Autres[modifier | modifier le code]

  • Meditação (inachevé, 1850)
  • Dicionário da Língua Tupi (1856)

Canção ne exilio[modifier | modifier le code]

style="vertical-align:center; white-space:nowrap;"

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o sabiá.
As aves que aqui gorjeiam
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores.
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá.
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar — sozinho, à noite —
Mais prazer encontro eu lá.
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o sabiá.

Não permita Deus que eu morra
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras
Onde canta o sabiá.